quinta-feira, 16 de abril de 2009

QUIMERAS, APENAS QUIMERAS


Melquisedeque Viana*





Na tela escura do meu pensamento,
relembro a imagem de um viver sadio.
Quanta alegria. Que feliz evento,
qual chuva forte no escaldante estio!

Lembrei-me, então, dos tempos de criança,
e da inocência na pequena idade.
Tudo era belo; e grande era esperança
por um futuro de tranqüilidade.

Mas, despertei deste meu lindo sonho
e me deparo com um cartaz medonho
de desajustes e transtornos mil.

Que pesadelo eu passo, de repente,
a suportar, de modo permanente
até o final desta existência vil.

__________________
* Melquisedeque Viana é poeta e historiador, ensaísta e professor. Mora em Teresina - PI.

2 comentários:

MELQUISEDEQUE disse...

MODESTIA À PARTE, O SONETO É LINDO.

Efigênia Coutinho disse...

FRANCISCO MIGUEL DE MOURA
Este Soneto:
QUIMERAS, APENAS QUIMERAS

É digno de um bardo das letras, que postagem belíssima.
Serei seguidora deste espaço literário e cuntural, pois é a forma que encontro de voltar e divulgar o que é bom, ao mundo das letras, meus cumprimentos,
com admiração,
Efigênia Coutinho
Escritora

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...